8 DICAS PARA PRODUZIR MATERIAIS EM PDF DE QUALIDADE NA EAD

Em 15.06.2015   Arquivado em EaD

post-pdf

Para que o conteúdo de um curso virtual seja apresentado de forma agradável para o aluno, é preciso que a produção seja feita de maneira minuciosa. Não é somente colocar o conteúdo pronto em uma plataforma online. É preciso planejar como ele será apresentado e de que forma isso irá acontecer, ou seja, quais ferramentas serão necessárias.

Um curso virtual pode ser ofertado em vários formatos. Ele pode ser composto somente de videoaulas, de telas com conteúdo ou de conteúdos em PDF, ou pode conter todas essas ferramentas juntas, mas cada uma com sua utilidade e no que lhe couber melhor.

Nesse post falaremos então da utilização do conteúdo em PDF que muitas vezes é peça chave na produção de um curso virtual, mas que na maioria, não é merecedor da atenção de quem o produz.

O “conteúdo em PDF” ou “arquivo em PDF”, como é popularmente conhecido, muitas vezes serve para complementar o conteúdo que já foi apresentado no formato de telas ou videoaulas ou até mesmo para conter de forma escrita toda a aula que foi apresentada nos outros formatos.

Dessa forma, este tipo de material oferece ao aluno a possibilidade de impressão e de arquivamento em seu computador.

Portanto, é de se saber que não podemos simplesmente transformar o arquivo de Word em PDF. Ele também é parte essencial do curso e deve ser produzido com o mesmo cuidado que qualquer outro material e é preciso que haja o mesmo trabalho conjunto de toda a equipe de produção.

Trouxemos então algumas dicas para reflexão ou para te ajudar na produção do seu arquivo em PDF na EaD:

1 – Releia todo o conteúdo

Muitas vezes o conteúdo que é escrito para ser colocado em telas é transformado em material para impressão. Mas acabamos nos esquecendo das frases que não cabem em uma página sem cliques, como “Clique abaixo”, “Veja na próxima tela”, etc.

Além disso, a diagramação de uma tela também pode ser diferente de uma página na distribuição das imagens e gráficos. O que estava “ao lado”, pode agora estar “abaixo”. O conteúdo precisa passar credibilidade desde o momento em que foi feito.

2 – Continue dando destaques

O conteúdo que estará em páginas, também merece destaques. O Designer Gráfico pode criar caixas com destaques de textos que são importantes na leitura do conteúdo. Permaneça também com os negritos.

3 – Não se esqueça dos cabeçalhos, rodapés e marca d’água

Todo o conteúdo foi trabalhado para que chegasse às mãos dos alunos, por isso, ele deve ser valorizado. Depois de um tempo, ao abrir o arquivo, o aluno pode não se lembrar de onde surgiu aquele conteúdo tão interessante. Assim, é importante que haja no cabeçalho o nome do curso, do módulo, unidade, que o conteúdo pertence. E junto, pode ter a logo da empresa ou instituição que o ofereceu.

A Marca d’água também é necessária para evitar plágio do conteúdo. Ela pode ser discreta e não deve dificultar a leitura.

Ainda para evitar plágios, no rodapé, pode-se colocar um aviso que o conteúdo foi escrito pela empresa ou instituição, não permitindo cópias sem autorização.

4 – Preze pela Estética e Identidade Visual

Como já dissemos anteriormente e voltamos a repetir, é preciso que a leitura do material seja agradável. Logo, é preciso que a Identidade Visual do curso e a estética sejam consideradas.

Deve haver algumas padronizações, como: os títulos e subtítulos podem ter a mesma fonte, cor e tamanho. Os destaques de atenção, por exemplo, podem ser apresentados com o mesmo ícone. As imagens podem ter o mesmo tamanho e o mesmo tipo de borda, entre outros.

5 – O arquivo tem nome

Esta dica é imprescindível e foi por causa dela que este post foi idealizado.

Quando criamos um “material em PDF” salvamos no computador com nomes que às vezes fazem parte dos trâmites de produção e acabamos nos esquecendo de alterar ao disponibilizar para o aluno.

Por isso, muitas vezes encontramos arquivos desse tipo com nomes de: Mod3_V2, Introd, M4_U2_S2-atual, v6_n1_a2001…

Aí que também podemos perder nossa credibilidade no que foi produzido.

É importante que o aluno saiba do que se trata o arquivo até mesmo antes de abri-lo em seu computador e para facilitar quando for procurar onde o salvou ao realizar o download.

Deixe então o mais claro possível do que se trata no nome do arquivo. Claro que deve ser levado em conta também o tamanho do nome. Seja objetivo.

6 – Que tal uma capa?

Indicamos o uso de capas para materiais completos, como por exemplo, todo o conteúdo da unidade ou algum manual.

Não é necessário o uso de capas em textos complementares sucintos que são abertos dentro de um conteúdo em tela.

7 – Para imprimir

Muitas pessoas ainda preferem imprimir o material e tê-los em mão do que realizar a leitura na tela do computador.

Por isso, pense no meio ambiente e no quanto as pessoas gastariam com a impressão. Economize no tamanho das imagens e tabelas para que, assim, não seja gasto muito papel.

Verifique também se o público-alvo possui condições de ter gastos com impressão. Se não, as cores no material podem ser poupadas para que possa ser impresso no modo preto e branco.

8 – Revise, revise e revise

Escreveu? Revise.

Alterou? Revise.

Por mais que tenhamos lido um milhão de vezes o mesmo texto, sempre que ele passar por alguma alteração ou atualização é extremamente necessária a revisão, seja ela textual ou de qualidade final.

Essas foram nossas dicas para uma produção de qualidade de conteúdo em PDF.

E você, acrescentaria algo?! Fique à vontade para comentar!